Policia Federal realiza busca e apreensão no Estaleiro Jurong Aracruz

Cristiano Silva Cristiano Rosa 3 de julho de 2019 0 Comments

A Policia Federal entra em escritórios do Estaleiro Jurong Aracruz Ltda (“EJA”), uma subsidiária brasileira da Sembcorp Marine, fabricante de plataformas offshore de Cingapura.
Em uma ação na Bolsa de Valores de Singapura, a SembCorp Marine disse que o mandado de busca que as autoridades brasileiras estavam executando era relacionado à Operação Lava Jato no Brasil, que é uma investigação de anos em um escândalo de corrupção envolvendo a Petrobras.

SembcorpMarine disse: “A empresa cooperou totalmente com a Polícia Federal brasileira e forneceu materiais dentro do escopo do mandado. A Companhia entende que essa busca foi em relação a investigações contra Guilherme Esteves de Jesus, ex-consultor contratado pela EJA no Brasil. ”
“Guilherme Esteves de Jesus foi preso pela Polícia Federal brasileira. Atualmente, ele enfrenta acusações criminais em andamento que não foram concluídas ”, disse SembcorpMarine.

As investigações atuais também envolvem Martin Cheah Kok Choon, ex-presidente do Estaleiro Jurong Aracruz.

“A empresa deseja reiterar que o Grupo está comprometido com os mais altos padrões de conformidade com as leis anticorrupção e não tolera e não tolerará qualquer conduta comercial imprópria”, disse SembcorpMarine.

Esta não é a primeira vez que a Sembcorp Marine está ligada ao escândalo de suborno no setor de petróleo brasileiro, e esta não é a primeira vez que Guilherme Esteves de Jesus é mencionado em relação à suposta corrupção.

A saber, Guilherme Esteves de Jesus foi preso em março de 2015 como uma pessoa ligada a contratos de perfuração entre a Sete Brasil e a Sembcorp Marine, depois que um ex-diretor da Petrobras acusou as duas maiores construtoras de Singapura, Sembcorp Marine e Keppel, de pagando subornos para obter contratos de equipamento no Brasil. As duas empresas na época emitiram declarações negando as alegações.

No entanto, em 2017, a Keppel concordou em pagar multas no total de US $ 422 milhões para resolver as acusações decorrentes de um esquema de uma década de pagamento de milhões de dólares em propinas a funcionários públicos no Brasil.

De acordo com admissões e documentos judiciais, começando pelo menos em 2001 e continuando pelo menos até 2014, a Keppel pagou aproximadamente US $ 55 milhões em propinas a funcionários da estatal brasileira Petrobras e ao então partido político no Brasil, para para ganhar 13 contratos com a Petrobras e outra entidade brasileira.

Fonte: click o petroleo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *